quarta-feira, 16 de maio de 2018

nº 224 O poema mais formoso em língua galega.


O objecto da poesia é a poesia. 

Eduardo Moreiras.

Quando li este poema fiquei namorado de cada palavra. Fui ao piano e nasceu uma melodia. Mostrei-a a Helena e nasceu uma canção. Assim é a milagre da escrita feita som, assim é a minha vida, uma busca continuada da canção perfeita.

Esta semana o meu blogue Ilha de Orjais cumpria 100.000 visitas, 100.000 pessoas que se achegaram a esta Utopia que serve ao meu desejo de pôr-me em evidencia e onde acostumo a mostrar os traumas quotidianos que me acompanham. Por isso estou de celebração, porque não me sinto só na luta diária por construir.

Nenhum momento melhor que este 17 de maio do 18 para partilhar o meu amor pelo poema de Eduardo Moreiras, porque o objecto da poesia é a poesia e o da canção, encontrar um ouvido carinhoso. Vivam as nossas letras!


Letra: Eduardo Moreiras, Música: Orjais

Voz: Helena de Alfonso
Rajão e percussão: Orjais

Baixo: José Lara Gruñeiro

2 comentários:

José Santos disse...

Muito lindo. Abraços, companheiros!

José Luís do Pico Orjais disse...

Obrigado. Prazer de te conhecer. Abração.