sábado, 22 de junho de 2024

nº 258 02 Flexi Disc

 


Bibliografia: 

Antología del folklore musical de España. Primera selección antológica [Grabación sonora]
Autor: García Matos, Manuel 1912-1974 
Editor: Hispavox
Data de pub.:D.L. 1959
Descriçao física: 4 discos : 33 1/3 rpm, mono ; 30 cm+2 livros (34 y 69 p.) 
Fonte: BNE

Antonio Fraguas e a memoria musical de Cotobade
Autor: Groba González, Xavier 
Editor: aCentral Folque, Centro Galego de Música Popular
Data de pub.:[2019] 
Descriçao física: 1 disco sonoro ; 12 cm+1 livro (235 páginas)
ISBN:9788494951183 
Fonte: BNE 

terça-feira, 11 de junho de 2024

nº 257 01. Postal Fonoscope

 


Vídeo em que mostro um postal sonoro que guardamos no Fundo Local do Concelho de Rianxo. Pretendo desta forma dar a conhecer alguns exemplares de documentos sonoros curiosos, tanto pelo seu formato como pelos seus intérpretes ou repertório reproduzido. Espero que sejam úteis.

Errata: Os autores de En er mundo são Jesús Fernández Lorenzo e Juan Quintero.

Bibliografia: BNE

domingo, 10 de dezembro de 2023

Nº 256 Esther Gloria Prieto e os Festivais da Canção


Heterodox@s galeg@s 02

Na década de 1960, no Estado espanhol houve uma eclosão de festivais de música que seguiram o modelo do de San Remo, Itália. A celebração desses eventos logrou descobrir novas figuras da canção, além de agregar alguns sucessos eternos ao repertório. Mas, por trás do puramente artístico, encontramos uma luta entre localidades e áreas geográficas da Península, na procura de aproveitar o chamado milagre turístico espanhol. Assim, os Festivais de Benidorm, do Mediterrâneo ou de Maiorca contavam com o apoio das respetivas câmaras municipais, quando não eram diretamente organizadas por elas. Inclusive, como em Maiorca, as canções tinham a obriga de promover explicitamente os atrativos turísticos da ilha.

Finalmente, o estudo dos festivais é um magnífico observatório para a análise do controlo político exercido por uns e por outros, na aparentemente monolítica ditadura de Franco. O festival de Benidorm, por exemplo, foi criado pola Rede de Emisoras do Estado (REM), grupo controlado polas FET y de las JONS, dependendo diretamente da Secretaria General del Movimiento. Este controlo absoluto durou até à chegada de Manuel Fraga Iribarne ao cargo de Ministro de Información y Turismo. Então, o dinheiro veio deste ministério para quem o lema “divisas para o turismo” era um dogma de fé.

É curioso como um Estado democrático -também em aparência-, como o atual, recupera do ostracismo esta festa com ADN franquista. Igualmente paradoxal é a ingenuidade, se é que houve, do grupo de Tanxugueiras em tentar vencer no referido concurso. O Benidorm Fest é um evento que continua a ser controlado polo REM, chamemos-lhe agora TVE, com a despesa de dinheiro público em benefício das mesmas zonas turísticas de sempre e cum alvo estético ou musical previamente determinado. Nada importa nem o público, nem a crítica, nem a qualidade do produto. O único interesse é a promoção de uma ideia de Estado onde os alalás galegos são supérfluos em democracia, como já foram supérfluos, em ditadura, os lalalás em catalão.

Na Galiza também tivemos os nossos Festivais, algum tão meritório como o do Minho de Ourense. A sua primeira edição ocorreu em 1965, sendo apresentadas 55 canções em espanhol, 19 em português e 17 em galego. É preciso dizer que o jornal La Región fez campanha para que no festival fossem divulgadas letras em galego, numa altura em que apenas Los Tamara tinham dado o passo de cantar na nossa língua, e o casulo de Andrés do Barro ainda estava por eclodir.

Esther Gloria Prieto, pioneira.

Esther Gloria Prieto Alcaraz (Madrid, 31/10/1930*- Valencia, 24/04/2012) nasceu em casa de artistas, sendo seus pais Julío Prieto Nespereira e sua mãe a cantora Paquita Alcaraz. Do pai existem numerosas monografias, catálogos e artigos, sendo desnecessário deter-nos nele. Basta dizer que foi um dos maiores gravadores da pintura espanhola do seu tempo e que era irmão da compositora e pianista Obdulia Prieto.

* Os dados de nascimento e óbito são retirados de sua certidão de óbito. 

Menos conhecida é a figura de Paquita Alcaraz, cançonetista que, apesar da sua curta vida, desenvolveu uma carreira repleta de acontecimentos notáveis. Estreou o filme mudo Alma rifeña (1922) de Juan Buchs e foi Teresa na estreia de El huesped del Sevillano do maestro Serrano.

Após se casar com Julio Prieto Nespereira (1930), a cantora deixou os palcos por um tempo. O fato de ter engravidado imediatamente deve tê-la incentivado a abandonar as tábuas por cerca de três anos. Finalmente decide regressar, mas já não como estrela de teatro musical, mas como liederista, acompanhada apenas por um piano e em espaços íntimos e intelectualmente elevados. Seu último concerto acontece no Lyceum Club Femenino o 30 do março de 1933. Uma despedida carregada de simbolismo, pois o 27 de setembro do mesmo ano morre de septicemia. Gloria tinha, na altura, três anos.



Múndo gráfico, 03/02/1926

Ondas, 03/04/1927

La nación, 02/11/1933


Compositora dos Festivais da Canção.

Esther Gloria Prieto era madrilena de nascimento, educou-se em Madrid e o seu trabalho como montadora musical de TVE sempre se desenvolveu fora da Galiza. Não sei se podemos considerá-la galega porque o pai o fosse. Mas o certo é que sempre manteve uma relação com Ourense, onde vivia a sua família paterna e com Pontedeume, estância de veraneio e vila na que morreu e foi enterrado seu pai. Se a considerarmos galega seria, muito provavelmente, a primeira compositora profissional de canção ligeira do nosso pais. 

Arquivo de TVE
La importancia de llamarse Ernesto. Estudio 1

A sua atividade estará limitada a festivais de música, concursos nos quais podiam ser recebidos importantes prémios em dinheiro; valores que facilmente podiam variar entre trinta e cem mil pesetas na época. Além disso, a canção que ganhava um prémio ou simplesmente tinha sido selecionada, acostumava ser gravada num álbum ou impressa a sua partitura, algo que gerava royalties de imediato.

Aqui fica uma pequena retrospetiva da presença de Gloria Prieto em algum destes festivais.

-Ao primeiro festival ao que acode Gloria é o da Canción de Madrid em 1961, onde obteve o 5º prémio com Sólo quiero olvidar, tendo como letrista a Amado Regueiro Rodríguez, o mesmo que fez a adaptação livre do texto do Hino da Alegria, popularizada por Miguel Rios. 

-Um ano depois, apresentou as suas Canciones Tristes ao prémio Montes do Festival da Canción Gallega de Ponte Vedra, obtendo uma menção honrosa. Embora o género musical deste concurso pontevedrino fosse radicalmente oposto aos até agora mencionados, em alguns aspetos da sua organização eram muito semelhantes. 

-Huella de ti, cantada por Gelu, foi pré-selecionada para o Festival de Eurovisión de 1962 e gravada por Los 4 de Barcelona e Elvira. Também foi impressa pela editorial Quiroga.

-Em 1963 é finalista em Benidorm com Lluvia, da que também era autora da letra. Foi gravada por Fina Galicia para Iberfón.

-7 de julho de 1963. Estreia no Festival de la Canción Gallega de Ponte Vedra de Canções Tristes, pola soprano Carmen Pérez Durías e da pianista Carmen Martín.

-Em 1965 participou no I Festival del Miño com La voz del río, letra de M. Martínez Remis, poeta madrileno, argumentista de filmes espanhóis de baixa qualidade e letrista de alguns sucessos musicais, na voz, por exemplo, de Sara Montiel. Com esta peça consegue o segundo prémio.

-Para a segunda edição do Festival del Miño (1966) apresenta três novas canções: Palabras gastadas e La niña del río, novamente do letrista Martínez Remis e Todo lo que yo sé, com letra e música sua. Com Palabras gastadas ganha o segundo prémio. Foi gravado para a discográfica Berta por Elvira.

-IV Festival del Miño (1968) De tu mano aprendí, letra e música de Gloria Prieto.

-II Festival de la Canción Infantil de TVE. Apresenta duas cançoes, Vamos a contar mentiras, música e letra sua, cantada por Ana Kiro e El Conjunto Sideral, com letra de Marisa Medina, interpretada por Sabrina.

-No Festival de Eurovisión de 1969, na edição que finalmente ganhou Salomé, Gloria poderia ter presentado Mil veces volverías, con letra da televisiva Marisa Medina, mas este é um dado que não posso confirmar.

As divas de Gloria Prieto

Resulta difícil rastrear todos os cantores e cantoras que incluíram músicas de Gloria Prieto nos seus álbuns. Alguns dos seus sucessos foram registados por diversos artistas, a maioria com uma vida profissional não muito longa.

    Cantoras não galegas

  •     Elvira

De todas as suas intérpretes, foi com a cantora valenciana Elvira -que para que não houvesse dúvidas sobre a sua origem era conhecida como La Voz de Naranja- com a que manteve uma relação pessoal e profissional mais intensa. Elvira acabou fazendo parte da família, já que Gloria foi madrinha da sua filha, a dançarina Esther Ponce.

Huella de ti, neste caso cantada por Elvira, é um slow-rock com orquestração de big band. A "voz de naranja", caricaturada desta volta com propositado estilo anglo-saxão, dificulta, em boa medida, a compreensão do texto. Sendo o arranjo musical mais do que correto, e mesmo, a meu ver, não desprovido de beleza, questiona-se como soaria esta peça com a intervenção de gargantas menos maquilhadas como a de Fina Galicia. De qualquer forma, em 1962, esta canção não teve sorte na pré-seleção do Festival de Eurovisão. Ela foi defendida por Gelu de Granada, terminando em último lugar dos dez competidores. Não sei se conta como desagravo patriótico saber que a vencedora, Llámame de Victor Balaguer, ficou em último lugar na fase final realizada no Luxemburgo, sem receber um único ponto do júri.

 


Palabras gastadas mostra algumas chaves do que será o estilo preferido nas composições de Gloria, principalmente uma maior influência da música francesa sobre a anglo-saxónica ou italiana. Se o texto fosse em francês poderia passar por um gémeo em estilo de Ma vie de Alain Barrière ou Capri c'ést fini de Herver Vilard. 

  •     Sabrina

Com as demais músicas selecionadas para o II Festival da Canção Infantil da TVE, 1968, a cantora Sabrina gravou El Conjunto Sideral, música de Gloria e letra de Marisa Medina. Sabrina era presença habitual nos festivais de verão espanhóis, entre os quais, como não poderia deixar de ser, o do Miño (Ourense).

Ouvir

Ora, sem comentários...

As nossas cantoras

Mas no que diz respeito aos interesses galegos, as suas canções são interpretadas polas mais grandes do seu tempo: Fina Galicia e Ana Kiro.

  •     Fina Galicia

Como já tenho contado neste mesmo blogue, Fina Galicia foi uma das triunfadoras do V Festival da Canción de Benidorm. A artista corunhesa gravou vários EP, com canções próprias do ambiente ye-ye e aperturista da época. Numa compilação das vinte canções finalistas do Festival, Fina Galicia grava LLuvia de Gloria Prieto.



Arq. do Pico-Rodríguez. Fondo Local de Música do Concello de Rianxo

Em Lluvia pudemos ouvir a bela e afinada voz de Fina Galicia, madura apesar da juventude e, ao contrário do que é habitual nos restantes participantes do evento levantino, muito natural. Outra característica das músicas de Gloria Prieto e  presença de introduções instrumentais, por vezes bastante longas, destacando-se algumas de piano, criando efeitos sonoros, como neste caso, evocando nas notas mais altas do teclado o som da chuva batendo no chão ou no vidro.

  •     Ana Kiro



Arq. do Pico-Rodríguez. Fondo Local de Música do Concello de Rianxo

Ouvir

De tu mano aprendí começa com uma bombástica introdução de piano solo, um tanto Tchaicovskiana, preludiando à voz da Kiro num estilo de canção e desempenho que não a favorece em nada.



Arq. do Pico-Rodríguez. Fondo Local de Música do Concello de Rianxo

Ouvir

Em Vamos a contar mentiras, a voz de Ana Kiro apresentasse-nos muito próxima, com um carácter otimista, sendo o resultado uma escuta agradável que transmite vibrações muito boas.

  •     Madalena Iglésias

Madalena Iglésias (Lisboa; 24 de octubre de 1939-Barcelona; 16 de enero de 2018), nascida Madalena Lucília Iglésias do Vale, era, como Glória, meio galega. A sua mãe foi a pontevedrina Lidia Garrido Iglesias, refugiada em Portugal devido ao golpe de estado franquista**, que após casar com o almadense José Rodrigues do Vale, vai morar na freguesia portuguesa de Cecilhas. Bayo Veiga, Luís O Pharol, nº 28, ano 11, Novenbro de 2015. p. 3

** Dados oferecidos por Madalena Iglésias em entrevista concedida por Júlio Isidro ao programa Inesquecível da RTP.

Madalena é um ícone da canção, da rádio e do cinema portugues, com uma grande relação com os meios artísticos espanhóis nos anos da sua atividade profissional, décadas de 60-70. Prova disto é que a sua primeira presença na rádio espanhola fosse da mão de Bobby Deglané, sendo apadrinhada por Lucho Gatica e Paquita Rico. 


Mil veces volverías, apresenta, a quem antes não a conhecia, uma Madalena Iglesias no seu papel, com todas as suas virtudes e defeitos. A sua voz profunda, algo abafada, uma atitude hierática, pouco expressiva, mas, ao mesmo tempo elegante e sedutora. Foi uma pena que Madalena não se tenha aventurado mais no território do Fado e da canção folclórica portuguesa, onde a sua voz, na minha opinião, encaixa muito melhor, como demonstra a sua magnífica versão do Fado da Madragoa.

Pré-catálogo de Esther Gloria Prieto.

Amor misterioso
Andrómaca
Arroto com Camilo Williart Fabri
Bárbara com Camilo Williart Fabri
Duérmete bebe. Impresso Ediciones Musicales RCA Española, S.A.
Caminos
Cuatro canciones tristes
O enterro da moza. Letra de Ben-Cho-Sei
Canzón de berce. Letra de José Fernández Méndez
Soedade plena. Letra de Pura Vázquez
A cidá de Santiago. Letra de Federico García Lorca
De tu mano aprendí.. Letra de Manuel Martínez Remis
El conjunto sideral. Letra de Maria Luisa Guiu Medina
Huella de tí. Impresso Ed. Quiroga
Julia com Camilo Williart Fabri
La voz del río. Letra de Manuel Martínez Remis
Lluvia. Impresso Ed. Quiroga
Los veraneantes com Camilo Williart Fabri
Mil veces volverías. Letra de Maria Luisa Guiu Medina
Nocturno. com Camilo Williart Fabri
Palabras Gastadas Letra de Manuel Martínez Remis
Solo quiero olvidar. Impresso Ed. Quiroga
Tus caminos
Y para que? Letra de Milagros Castro Méndez; Impresso Ed. Re-do-la

Conclussoes finais

Este artigo só é uma aproximação ao reportório de Esther Glória Prieto, sendo absolutamente consciente de que o seu catálogo deveu ser significativamente mais cumprido que o aqui exposto. Contudo, tenho a esperança de que seja, quando menos, significativo.
Nesta minha primeira abordagem a dito reportório tiraria as consequências que se seguem:

1º Parece evidente a influência da canção francesa no estilo da Prieto. Talvez, se combinamos isto com a chegada ao Estado Espanhol da onda italiana e anglo-saxona em forma, respetivamente, de canção romântica e ye-yê,  podamos entender o porquê as suas composições não tiveram um maior sucesso. Em definitiva eram igual de boas ou más que o resto das suas competidoras.

2º Os artistas que o puderam fazer, enviavam a estes festivais a partitura completa, incluindo as respetivas partes, de acordo com o modelo de instrumento que lhes foi previamente comunicado. Sabemos que Gloria Prieto enviou estas partituras, por exemplo, para o Festival del Miño, por isso é mais do que provável que os arranjos que ouvimos nas gravações sejam originais dela.

2º Neste artigo achegamos um importante catálogo de nomes que interpretaram as canções de Gloria Prieto. Ana Kiro, Fina Galicia, Gelu, Sabrina, Elvira e Madalena Iglésias.  Todas elas mulheres muito novas, vozes femininas que, quiçá excetuando a Fina Galicia, procuravam um espaço de lado das Marisol, Rocío Durcal ou Karina. Tenho a certeza de que alguma voz masculina cantou as suas canções, mas não dei com nenhuma gravação impressa. É muito possível que a autora escrevesse pensando em ser interpretada por uma voz feminina, com o cliché próprio deste tipo de eventos.

3º Repassando os discos da época, resulta infrequente encontrar mulheres ocupadas em compor peças de género ligeiro. Os compositores eram, na sua esmagadora maioria, homens, e nas raras ocasiões em que aparece o nome de uma mulher é, normalmente, para assinar a letra da canção. Uma ilustre exceção é a de María Josefa López Fernández, autora juntamente com Aniano Alcalde do eurovisivo Vivo cantando. Também assinou, desta vez em parceria com o marido Ricardo Ceratto, Mi Tierra Gallega, que Pucho Boedo e Los Tamara transformaram em obra de arte.

Mas não esqueçamos que as intérpretes e as compositoras jogavam em território hostil. Mergulhar na biografia das mulheres de que falamos neste artigo é devastador. Gelu, Elvira e Madalena Iglésias abandonaram suas respectivas carreiras quando se casaram. María Josefa López Fernández, ganhadora do Festival de Eurovissão, dialogava assim com o seu entrevistador:

«—¿Qué da más trabajo, María José, componer o ser ama de casa y madre de familia?
—Ambas cosas, pero creo que más ser ama de casa.
—¿Cuál de las dos profesiones prefieres?
—Ama de casa y madre de familia ante todo».  Diario de Burgos, 06/03/1969, p.3

Esther Gloria foi aluna de Lola Rodríguez de Aragón e Conchita Badía. Estudou no conservatório madrileno e, em 1960, foi aluna becária nos cursos internacionais Música en Compostela. Confesou ter chegado à música ligeira como a brincar, tentando a sorte nos festivais com maior remuneração e projeção económica. Parece que ela trabalhou na trilha sonora de alguns filmes que não consegui localizar e, é evidente, que não parou na tentativa de ser compositora de música séria, como ela mesma a descreveu. Tenho certeza que num futuro próximo o repertório de Esther Gloria Prieto trazer-nos-á lindas novidades.


Retrato de Esther Gloria Prieto. Foto Reza. La Región. 04/07/1965


Retrato de Esther Gloria Prieto. La Región. 12/07/1966


Retrato de Esther Gloria Prieto. La Noche. 01/11/1967

Webs de interesse:

https://mulleresourensas.blogspot.com/2021/02/esther-gloria-prieto-alcaraz.html

https://estherponcemagazine.com/xana-capitulo-5/

sexta-feira, 21 de julho de 2023

nº 255 Faustino Rei Romero e Artur Garibáldi. Uma foto em Braga.


O poeta Artur Garibaldi Pereira Braga (1913-1992) viajou por primeira vez à Galiza em 1935. Parece que esteve um tempo, o suficiente como para apaixonar-se do país, e também duma viguesa. Em qualquer caso, a sua conexão com a nossa terra propiciou um viçoso ramo de amizades, eventos, publicações e cargos honoríficos.

Foi autor, por exemplo, do livro de poemas À Cidade de Vigo, dedicado a todos os seus amigos da dita urbe galega. Neste estranho poemário, o rapsoda português, dedica uma das suas composições a um endereço de correios, polo que sabemos, com certeza, onde era que morava sua amada olívica.

Há uma casa na Espanha

que tem lá meu coração:

por ela fiquei a amar

a gloriosa Naçao.

-Linda cidade de Vigo:

Sanjurjo Badia, 9!


Como para não se dar por aludida!

Desde a sua primeira visita a Galiza em 1935, o vínculo com a nossa terra não deixou de crescer, sendo nomeado em 1940 Acadêmico Correspondente da Real Academia Galega. Uns anos mais tarde, no 1944, organiza o primeiro Torneo Poético Luso-Galaico, com o que pretendia um maior achegamento literário entre ambas comunidades.

Como ativista no movimento de unidade de ação entre intelectuais de aquém e além Minho, foi promotor e participou em númerosos congressos e certames, como a Assembleias lusitano-galegas celebradas em Braga (1955), a primeira, e A Corunha (1961), a segunda.

Por certo, a Real Academia Galega publicou as atas e comunicações em 1965, no prelo da Editora Nacional, imprensa do regime franquista, dedicando-lhe o volume Al Exmo. Sr. D. Manuel Fraga Iribarne


Foto de família dos assistentes à Assembleia corunhesa. O Garibáldi aparece acima, no centro, à esquerda, segundo olhamos, de Ferro Couselo. 
Primera y segunda asamblea lusitano-gallega: actas y comunicaciones. Asamblea Lusitano-Gallega (1ª: 1955: Braga) Madrid : Editora Nacional, 1967

O seu posicionamento político levou-no a militar, sem fazer demasiado ruído, nas forças progressistas contrárias ao Salazarismo. Assim, entre as suas obras, há um curioso Polonia heroica, poemário publicado em 1941 e traduzido ao espanhol por Enrique Romero Archidona. Em entrevista publicada em El Pueblo Gallego (5 de Março de 1957), Garibáldi afirmava que dita publicaçao constituyó un éxito, pero sentimos mucho miedo. -De Hitler? -Y de los muchos amigos que tenía entonces.

Os seus poemas tiveram acolhida na Galiza em jornais e revistas como Sonata ou Spes. O seu círculo de amizades mais íntimo estava no grupo de poetas vigueses, como os Álvarez Blázquez ou o próprio Celso Emílio. Entre esses elegidos estava o nosso Faustino Rei Romero, com quem vai colaborar nas páginas literárias dedicadas, nos jornais portugueses, à literatura galega.

Algumas semanas atrás, por sorte, abri um velho livro guardado no Fondo Local de Música do Concello de Rianxo e, entre as suas desarrumadas páginas, encontrei um pequeno recorte do jornal Faro de Vigo. Está datado em 22 de fevereiro de 1952. O breve, assinado por Faustino Rei Romero, vem ilustrado por uma fotografia de Artine, com o próprio Faustino e o Arturo Garibáldi como protagonistas.



Os dois amigos poetas teceram caminhos de ida e volta entre a Galiza e Portugal, e ambos lutaram, ao seu jeito, contra as ditaduras peninsulares. Obrigado.

 


Dedicatória autógrafa de Arturo Garibáldi no exemplar de À Cidade de Vigo da minha coleção.

sábado, 6 de maio de 2023

nº 254 Ninguém se lembra do segundo!

Ninguém se lembra do segundo!

Pequena biografia de Celestino López Sánchez.




Imensamente agradecido a:
Flora Rodríguez, Pepe Pardavila  e Jorge Abal da Póvoa, 
Ramom Pinheiro, Isabel Rei, Xoán Pastor Rodríguez, 
Tamara Dopico, Cantigas e Agarimos e
ao sábio Xosé Comoxo.

Em 28 de junho de 1924, na Praça da Quintana ou dos Literatos, realizou-se o concurso de gaita-de-foles mais famoso da história da Galiza. Nesse dia, Avelino Cachafeiro Bugallo é proclamado, de fato, o melhor gaiteiro do país. Segundo Rivas Troitiño, as obras obrigatórias do concurso foram a Alvorada de Veiga e um passacorredoiras, entendo que de livre escolha. No mesmo artigo afirma que “de los nueve gaiteiros inscritos, tres se retiraron, no sabemos si por temor al ya temido gaiteiro de Soutelo, o por otras razones” [Triunfo. (23 março 1974) Año XXVIII, n. 599, p. 31-33]
Apesar da escassa participação, a vitória alimentou o mito do Gaiteiro de Soutelo, elevado aos altares numa encenação que parecia, e talvez fosse, feita à medida. Dois dias depois da vitória de Avelino, Castelao acompanhou o herói na sua entrada triunfal em Soutelo. Ao chegar à porta de casa, o patriarca do clã, Fermín, acendeu um foguete. Os primeiros a cruzar o umbral foram os irmãos Cachafeiro, e depois Castelao, como Escrivão Geral da galeguidade. Assim, o dia 10 de agosto, o jornal Galicia [Castelao, D. (10 de agosto de 1924). “O Gaiteiro de Soutelo” . Galicia. p. 1] publicou em primeira página uma crónica do político rianxeiro, acompanhada do retrato de Avelino que se tornaria icónico no imaginário da nossa cultura popular [Ver apêndice]. Nela, dá-se conta de que o terceiro prémio foi conquistado polo adolescente Cástor Cachafeiro. De quem não diz o nome é do gaiteiro que teve a honra de estar entre os dois irmãos de Forcarei. Polos jornais da época sabemos que se tratava de Celestino López Sánchez, gaiteiro do coro Cantigas e Agarimos e saxofone barítono do 3.º batalhão de infantaria. Mas, o que sabemos desta personagem que ousou desafiar em cima do palco, o próprio gaiteiro de Soutelo? Aqui estão as minhas descobertas.

No centro, em primeiro plano com gaita, Celestino López.


Asociación de Exploradores de Ponte Vedra

Celestino López Sánchez nasceu em Ponte Vedra em 14 de julho de 1902, sendo os nomes dos seus pais os de Enrique e Josefa. Assim consta no seu atestado de óbito, embora tenha promovido a ideia da sua natureza compostelana.
Quase nada sabemos sobre a primeira década da sua vida, mas em 1912 acontecerá algo que será fundamental na formação musical posterior: o capitão de cavalaria Teodoro Iradier y Herreo funda a Asociación de Exporadores de España, na sequência do recém criado movimento escuteiro. Em dezembro desse mesmo ano nasce a delegação de Ourense e logo, a seguir, a de Ponte Vedra, tendo como presidente o omnipresente Marquês de Riestra. Ao primeiro executivo pertencem personagens conhecidas da vida de Ponte Vedra, como Prudencio Landín, Isidoro Millán ou Javier Pintos. No final desse ano, os exploradores formaram uma Banda de Música dirigida por Juan Serrano Marqués (Lugo, 1859 [conforme atestado de óbito]; 8 de janeiro de 1954). O maestro Serrano, aluno de Montes e Varela Silvari, entre outros, teve uma vasta experiência tanto com grupos infantis (Orfeón infantil de Lugo, Orfeón infantil helénico de Ponte Vedra...) quanto na direção de bandas musicais (Lugo, Ponte Vedra, Vigo...). Há que ter em conta que a Asociación de Exploradores recrutava crianças de entre 12 e 14 anos. Em 1914, o duo formado polo requinto Celestino López e o flautim Alfonso Quintas, acompanhados ao piano polo próprio maestro Serrano, participavam nas quermesses organizadas pola Asociación. Nesses eventos era frequente a presença do Instructor Jefe dos exploradores, o barítono Víctor C. Mercadillo. O bando de exploradores, formado sob o prisma do movimento scout, foi fortemente influenciado pola estética, organização e disciplina militar. Robert Baden-Powell, fundador mundial dos escuteiros, assim como Teodoro Iradier, seu sósia espanhol, eram soldados de carreira. Por mera intuição da minha parte, tendo a pensar que a influência britânica do fundador e a suposta marcialidade das gaitas-de-foles para o desfile, fizeram com que os exploradores se interessassem em incluir este instrumento galego nas suas formações, acompanhando, em muitos casos, tambores e cornetas. Assim, em 1914, podíamos ler num jornal a seguinte nova:

«Se exhibe en un escaparate del Toral, una preciosa gaita gallega de madera clara y guarniciones de terciopelo y seda morado y amarillo, que encargó el comité de exploradores del distrito de Chamberí, en Madrid, al local de Santiago.
Tal instrumento es para la charanga de los exploradores de la Corte, y en el extremo del ronco lleva una artística plancha en mate, en la que, rodeando la estrella de cinco puntas, se lee: “Exploradores madrileños». La Correspondencia Gallega : diario de Pontevedra (6 abril 1914) Ano XXVI n. 7259 p. 1.

Sabemos que nas festas organizadas polos exploradores, Celestino tocava gaita-de-foles, acompanhado ao tambor e ao bombo polos camaradas escuteiros Ribadulla e Pacheco, como aconteceu em maio de 1918 com motivo da celebração do aniversário do Rei.
Celestino acompanhou também um coro escuteiro, precedente mais imediato para aquela que será, anos mais tarde, sua atuação no coro folclórico Cantigas e Agarimos.

«Tanto la banda de los exploradores como el coro de los mismos con su gaita, fueron ovacionadísimos y obsequiados en las Sociedades Casino, Gimnasio y Círculo Mercantil. [Visita à Estrada]» Diario de Pontevedra (6 de agosto de 1918) Ano XXXV n. 10290 p. 1.



Compostela

Em 1919, Celestino recebeu uma pensão de estudos da Fundación Figueroa. Com quase total probabilidade, foi este o motivo que o levou a viver em Compostela. Um ano depois, começam os ensaios de Cantigas e Agarimos, coletivo de que faz parte desde sua fundação. Integrou também a banda do regimento de Zaragoza, tocando o saxofone barítono. Em 1923 casa com Manuela Segade López, celebrando o vínculo na igreja paroquial de San Miguel dos Agros. O padrinho do casamento é o fotógrafo Enrique Guerra, presidente do coral, o que reafirma ainda mais seu vínculo com Cantigas.
Quando conquistou o 2º prémio no concurso de gaita-de-foles das festividades do Apóstolo (1924), foi referido na imprensa como músico de 3.ª da banda do regimento de Zaragoza. Na verdade, em junho já aprovara a oposição para a banda de música municipal, na qual tocará primeiro saxofone barítono e, depois, o contralto. O annus miriabilis de 1924 se encerrará com o nascimento dos gémeos Leonardo e Aurora López Segade. Esta última casará com António Varela Caeiro, colunista da imprensa local e secretário do pósito de Rianxo. Uma carreira profissional muito semelhante, como veremos, à do sogro.
Vale ressaltar que Celestino coincidiu com o maestro Bernardo del Río na banda do regimento de Zaragoza, na banda municipal compostelana e em Cantigas e Agarimos, sendo esta uma pessoa a quem sempre guardou um carinho sincero.

Nesse período estudou magistério, recebendo-se em 1928.

A guitarra e a Agrupación Artística Compostelana

Em 1929 nasce a Asociación Artística Compostelana, sendo Celestino o primeiro regente da sua rondalla. Com efeito, entre os muitos instrumentos que tocava estava a guitarra, como pode ser conferido na notícia a seguir: 


«El director del coro Cántigas e Agarimos y profesor de la Banda Municipal don Celestino López Sánchez ha dado ayer noche en su academia de música ante un público selecto invitado particularmente al acto, un magnífico recital de guitarra, en el que fue muy aplaudido y demostró la sorprendente técnica y dominio que tiene en la ejecución del referido instrumento.
Celestino López Sánchez se propone llevar a cabo por Galicia una tornee artística para darse a conocer como guitarrista notabilísimo que es». El pueblo gallego : rotativo de la mañana. (15 de marzo de 1929). Año VI Número 1581


Era frequente que nos concertos da rondalla, Celestino tocasse algumas peças a solo. À frente da Agrupación Artística é mais do que possível que tenha dirigido, e até formado, a um adolescente Basílio Carril (1914-1974), famoso fabricante de gaitas-de-foles. Dizia-se que ele até construiu sua própria guitarra [Ver entrada da Gran Enciclopedia Gallega assinada por Benedicto García]. A formação de Celestino como guitarrista e rondallista pode ter vindo daquela banda de exploradores pontevedrina. Seu regente, Juan Serrano, também tocava guitarra e bandurra. Se considerarmos que Serrano foi aluno de Montes, mais uma vez, também guitarrista, poderíamos falar de algo semelhante a uma escola. Na realidade, Montes, Serrano e López Sánchez constituem uma cadeia de custódia de uma tradição musical ou prática comum, bandística, orfeonística e guitarrística. Infelizmente, para poder falar nesses termos, falta-nos o fundamental: seu repertório.

Em 1930, Celestino demitiu-se da banda de Santiago para liderar a banda de A Lama.

Professor de primário. A Póvoa do Caraminhal 

Em 1932 começa o ano como professor de educação primária e música da academia compostelana Nieves, mas, apenas dois anos depois, após um período de cursillista, começou a lecionar na escola do pósito da Póvoa do Caraminhal. Na vila nazarena funda a Agrupación Artística Musical y Recreativa Arosa, à semelhança da Agrupación Artística Compostelana. Também iniciou sua estreita relação com as organizações de pescadores, sendo na época do golpe de estado franquista, secretário do pósito.

Agrupación Artística Musical y Recreativa Arosa? ca. 1935
Arq. Xoán Pastór Rodríguez

Agrupación Artística Musical y Recreativa Arosa
El Pueblo gallego (28 -fevereiro-1936 ) Ano XIII, n. 3891, p.3

Como todos os cursillistas da República, ele foi expurgado. Assim, em setembro de 1936, foi suspenso do seu cargo por um ano. No entanto, depois de três meses, ele já tinha voltado para a escola. Em junho de 1937
[BOE, Burgos, 7 de agosto de 1937] foi reintegrado definitivamente no cargo, ordenando-se o pagamento dos salários que lhe eram devidos.
Nos primeiros anos da década de 40, aprovou as oposições de orientação marítima e integrou a junta local de pesca da costa noroeste. Além disso, ocupa o cargo de chefe local do Sindicato Espanhol de Professores (S.E.M.), sindicato vertical franquista.

Presidente da Câmara Municipal da Póvoa do Caraminhal



Por um curto tempo, 1952-1954, ocupou a presidência da Câmara Municipal da Póvoa do Caraminhal. Durante sua gestão, começaram as conversas sobre a valorização turística do entorno de Curota e foi recebido o busto de Valle-Inclán, um presente do concelho de Ponte Vedra, obra do extraordinário artista Benito Prieto Coussent. Em agosto de 1953 é apresentada ao seu público a Agrupación Artística Musical Caramiñas, na qual Celestino dirige o coro.

Juízo a Cantigas e Agarimos
Em 1954, o jornal La Noche, regista uma troca de impressões entre Celestino López e Francisco Rodríguez, então diretor de Cantigas e músico, vice-regente e, posteriormente, regente da Banda Municipal de Santiago de Compostela. Enfrenta-se um membro fundador e regente do coro, com o primeiro maestro após a refundação provocada pola morte de Bernardo del Rio. Este debate resulta interessante em extremo para entender a evolução dos coros galegos.


«El coro Cantigas e Agarimos juzgado por su antiguo director Celestino Sánchez.
[...]
-Opino que dos gaitas están bien en los desfiles y en las foliadas, pero no en otra clase de cantos, en los que me inclino a utilizar una sola, puesto que, además del exceso de sonido, y posible desafinación y la también posible poco unidad entre las mismas, pueden deslucir y quitar el carácter a la canción.
Opino también, que el director debiera ir uniformado, como es clásico en este tipo de agrupaciones, lo cual no quita personalidad, pero en cambio desentona, rompiendo la vistosa armonía del conjunto» La noche. (5 de agosto de 1954) Ano XXXVI. N.º 10431. p. 4
Alguns dias depois, Francisco Rodríguez, respondeu um tanto zangado perguntando a Celestino por que ele não lhe dera aquelas gentis recomendações na conversa que os dois tiveram o dia do concerto.

«En lo que al Director se refiere, estoy de acuerdo en que debe vestir igual que los coristas, para no desentonar el conjunto. Espero que en su día quede resuelta esta cuestión, que es asunto interno de la Colectividad.
En cuanto al empleo y afinación de las gaitas acompañando al Coro en alalás y foliadas, estas, que son casi siempre a dos voces al disponer de dos gaitas es lo lógico que cada una se emplee, respecto del Coro, oportunamente en cada voz: porque si se suprime una de las gaitas, evidentemente reproduce un desequilibrio sonoro en el conjunto, lo que supone peor el remedio que la posible desafinación.
¡No suprima gaitas, don Celestino! Hace pocos meses he visto y oído un prestigioso coro de nuestra región actuar simultaneamente con tres gaitas, y no sé que tengan ningún propósito de suprimir alguna…
Los tiempos evolucionan, y esta misión “sagrada” de suprimir gaitas y folklores queda reservada a la música importada llamada de negros, que se me antoja ya infiltrada en la ropa. La Noche. (14 de agosto de 1954) Ano XXXVI. n.º 10439. p. 2

Celestino contra-atacou com seus velhos argumentos, aliás, não tão distantes dos de Francisco Rodríguez. 

«Las composiciones musicales armonizadas están destinadas a ser interpretadas por orfeones y polifónicas masas corales en las que todas sus cuerdas están bien nutridas de voces y no dan la sensación de debilidad y pobreza.
El quitar a un coro gallego de la interpretación de las canciones “folklóricas” es lo mismo que oirle tocar a una gaita la rumba del “negro zumbón”. Cada cosa es para lo que es.
[…]
Si como observamos la tendencia “moderna” a orfeonizar toda nuestra música regional, aun aquellos cantos del mayor sabor enxebre, entonces es preferible dejar los trajes que representan al tipo individual de nuestros paisanos en traje de fiesta, y se toquen con smoking o chaquet». La Noche. (24 de agosto de 1954). Ano XXXVI. nº. 10447. p. 4
 
O confronto não durou muito porque no ano seguinte Cantigas se apresentou nas festas do Nazareno e, em 1958, Celestino e Francisco Rodriguez foram nomeados sócios honorários na mesma sessão da junta diretiva do coro compostelano.
Em julho, uma delegação de Cantigas e Agarimos desloca-se à Póvoa do Caraminhal, sendo recebida polo próprio Celestino, talvez em agradecimento pola sua nomeação como sócio honorário da entidade. Então, escreve um novo artigo onde faz algumas reflexões reveladoras da sua visão sobre o papel das mulheres nesses grupos. Ao serem incorporados aos corais, na década de 1920, estavam prestes a dar um passo decisivo na defesa de seus direitos. Até então, era de se esperar que fizessem parte das Hijas de María, sendo inapropriado do seu sexo cantar em coros seculares e mistos.
Além de se exporem publicamente em eventos em que participavam coristas de ambos os sexos, participavam em excursões dominicais, como recordou Celestino, a parques de merendas do Castinheirinho, Amanecida ou o Caminho Novo. Todavia, os coros giravam, durando as turnés dias ou semanas, como quando um destes grupos tinha de atravessar o Atlântico. Foram, as coristas, mulheres valentes. Mas este avanço para elas, sem dúvida histórico, não significa que todos os preconceitos arraigados no cérebro dos coristas masculinos foram repentinamente erradicados.
Celestino faz uns comentários no jornal La Noche que sintetizam toda uma ideologia patriarcal e paternalista, expressões que não são sinónimos perfeitos, mas sim complementares. O franquismo instaurou o machismo de estado, mas, obviamente, a ideologia já fora inventada.

«Hubo tiempos, no muy remotos, que el pertenecer a una colectividad artística era el mayor honor que podía caberle a un artesano. Con fe y entusiasmo, se sacrificaba por parte de “ellos”, el tiempo que podían invertir en tomar y charlar la penúltima chiquita de la noche para dedicarlos a las tareas artísticas, y por parte de “ellas”, las últimas vueltas en los paseos cotidianos por las calles y rúas de las ciudad.
¿Es más honroso y decente para las chicas artesanas, el pulular por calles y jardines o frecuentando los lugares mas concurridos para su mayor exhibición? Como hombre, les manifiesto que no son precisamente esas las mejores armas para buscar el compañero ideal, porque la modestia, la sencillez y la virtud, son como la violeta que aun estando oculta, se la busca por su pureza, belleza y perfume
Al pertenecer a una agrupación artística, demuestra la delicadeza y perfección espiritual, vestir ese traje tan gracioso y elegante y enxebre, cantar las alegres foliadas y sentimentales alalás, etc., le dan un encanto y pureza de alma, que significan un poderoso imán para los mozos, y así hemos visto, que muchas chicas que han pertenecido al coro, han encontrado sus ideales en él y fuera de él, que seguramente no hallarían de otra manera por mucho que se lo propusiesen, y soy testigo que fueron objeto en todo momento del mayor respeto, las mayores consideraciones y de las más cariñosas manifestaciones de afecto en casa y fuera de ella» La Noche. Ano XXXVIII. n.º 11696. 30/08/1958

Duas filosofias diferentes são misturadas aqui. A krausista, influente nos coros Clavé, em que se pretendia educar as classes trabalhadoras através da música, afastando-as, entre outras coisas, das tabernas e do alcoolismo. Por outro lado, o movimento antoniano e os círculos católicos.
Estes procuravam captar aos jovens que saíam da tutela da igreja, ingressando em associações seculares, como as de influência krausista, ou em organizações políticas de esquerdas. As mulheres aqui se dedicavam a atividades artísticas, como teatro ou apresentações musicais, muitas vezes sem rigoroso conteúdo religioso, mas sempre com uma moral cristã impecável. Em ambos os casos, fossem as intenções melhores ou piores, tratava-se de controlar o lazer, principalmente no caso das mulheres, não foram a decidir ir livremente para onde quisessem. Um episódio ocorrido no ano da fundação de Cantigas e Agarimos ilustra perfeitamente como a mulher e colocada forçadamente no centro do “problema”.
Os primeiros ensaios de Cantigas decorrem nas instalações do Centro Católico Obrero de Santiago. Logo eles têm que deixar este espaço e são realojados nos da Unión Protectora de Artesanos. A causa foi, justamente, que os católicos não concordavam com a presença de mulheres no coro. 

Em 1956, Celestino é nomeado presidente da Sociedad Liceo Pueblense, sendo reeleito em diferentes convocações. 

Despedida 

Em novembro de 1964 morre Manuela Segade López (1904-1966). Este fato marca o ocaso da vida de Celestino López. Em novembro de 1966, escreve em El pueblo gallego uma emocionada despedida a vizinhança da Póvoa. Problemas de saúde levam-no a residir em Vigo. A partir daí continua a colaborar nos especiais publicados pola imprensa durante as festividades nazarenas. Essas colaborações, solicitadas por seu amigo Juan B. Martínez Lemiña (1906-1975), são um dos poucos vínculos que lhe restam com a sua vila de residência durante mais de quarenta anos. Celestino López Sánchez morre em Vigo o 26 de Agosto de 1971. A causa oficial foi infarto do miocárdio. Foi enterrado no cemitério de Pereiró. 

 Finalmente

Durante a escrita desta pequena biografia tive a oportunidade de conversar com algum ex-aluno de Celestino López. Eles lembram-se dele como dum professor muito rigoroso. É evidente que sempre foi acompanhado por uma disciplina militar, talvez alimentada desde cedo nos exploradores de Ponte Vedra. Para além do quão simpático achemos a personagem, é claro que a sua atividade como gaiteiro, guitarrisista e corista fazem dele alguém a ter em conta e a quem devemos continuar a investigar. É possível que a partir dessas pesquisas tragamos à tona novos achados reveladores. Vamos ver.

Arquivo de Imprensa



quarta-feira, 31 de agosto de 2022

n° 253 Eu ia dar um passeio por Rianxo quando


Eu ia dar um passeio por Rianxo quando, 

inesperadamente,

encontrei-me com Walt Whitman.

Cumprimentei,

e ele me cumprimentou.

Nervoso,

toquei a haste dos meus óculos;

Whitman,

acariciou a aba do seu chapéu.

Perguntei a ele por Wilde

‒a quem beijou nos lábios em Camden‒

Ele interessou-se por Manuel António

‒a quem rezo todas as noites antes de dormir‒

Invejei-lhe o cabelo e o talento.

De mim, apenas invejou as minhas cinco décadas.

-Goodbye, Mr. Walt.

-Goodbye, Barão de Orjais.

Quase me virava as costas

quando escutei que sussurrava:

-Many things to absorb I teach to help you become eleve on mine.

Barão de Orjais de If I were a Whitman.




Barão de Orjais, de If I were Mr. Walt

terça-feira, 2 de agosto de 2022

Nº 252 Crónica negra da Sanfona

 Em 13 de novembro de 1863, aparece no Boletim Provincial de Lugo a seguinte nova:

Don Antonio del Rio y Cuesta Juez de primera instancia en la villa de Noya y su partido.

Por el presente se cita, llama y emplaza por el termino de treinta días perentorios á Lucas Casal Tarpa, vecino de la parroquia de San Nicolás de Mosteirón lugar do Outeiro, Ayuntamiento de Sada, partido de Betanzos á fin de que se presente en la cárcel pública de esta capital á responder á los cargos que contra el mismo resultan en causa criminal sobre la muerte de Feliz Romero, pues no haciéndolo se sustanciará con los Estrados y le parará el perjuicio que haya lugar. Al propio tiempo se exhorta con las Autoridades civiles y militares para que procedan al arresto de Lucas y su remisión caso ser habido. Noya 26 de octubre de 1863. Antonio del Río y Cuesta. Manuel Ramón Martelo. Escribano Originario.

No mesmo breve do jornal, dá-se a descrição do suposto assassino:

Edad de 40  á 44 años, estatura alta y de buen color, es tuerto y deja caer sobre el ojo un gran mechón de pelo: viste chaqueta negra y azul, pantalón de lo mismo y algunas veces de tela, unos zapatones y un sombrero ongo de lana blanca por encima de un pañuelo encarnado que ciñe á la cabeza, tambien tiene uno ó dos aretes en las orejas y gasta capa negra, ó azul, toca Zanfona y algunas veces lleva alforjas cruzadas al pecho y además anda con un perro pequeño color pardo ceniciento y adiestrado en juegos, tiene cédula de vecindad del número primero espedida en 22 de Abril de este año. Registrado núm. 949

Em 17 de junho de 1864, o sanfonista Lucas Casal continuava em fuga e captura, pelo que e publica novamente no Boletín Oficial da Província de Lugo o mesmo edital, mas esta vez com ligeiras modificações nos nomes dos protagonistas. Lucas Casal Tarpa aparece agora como Lucas Casal y Jarpa e a sua vítima como Félix -e não Feliz- Romero.

Absolutamente fascinado por encontrar-me com uma descrição tão minuciosa dum sanfonista galego de mediados do século XIX, acudi ao Arquivo diocesano de Compostela na procura da verdadeira identidade do cego de Mosteirão.

Se em 1863 tinha entre 40 e 44 anos, o sujeito devera ter nascido ca. de 1823. Num intervalo duns 50 anos a redor dessa data (1800-1850), não encontrei mais que a um Lucas Casal cuja partida de nascimento dizia o que segue:

Em 18 de octubre, año de 1823, el Br. Dn. Manuel Benito Milleiro, cura propio de esa parroquia de S. Julian de Osedo y S. Nicolas de Mosteirón su anejo, en esta bauticé solemnemente y puse los santos óleos a un niño que nación el mismo día, hijo de lexítimo matrimonio de Juan Casal y de Josefa Prego su mugger vecinos de la dicha de Mosteirón, púxosele por nombre Lucas María. Fue su madrina Dª Josefa Ramos...

De ser esta pessoa a que andávamos a procurar, havia, novamente, um problema com o seu segundo apelido. A solução pode estar na própria partida de batismo, na relação que se faz das avós. 

Abuelos paternos Pedro Casal y Fca. Rodríguez difunta vecina de la dicha Mosteirón; Maternos Marcos Prego, difunto y María Jaspe, cecinos que son y fueron de la parroquia de Osedo. 

Semelha que Lucas María Casal Prego, adotou nalgum intre o apelido da sua avó materna, passando a se chamar Lucas Casal y Jaspe. Segundo o mapa cartográfico dos apelidos na Galiza [https://ilg.usc.es/] o apelido Jaspe só tem alguma ocorrência em três concelhos galegos, com uma máxima porcentagem povoacional no de Oleiros, vizinho a Sada.

Com estes dados à vista, considero que podemos afirmar que o sanfonista acusado de causar a morte de Félix Romero foi o sadense Lucas María Casal Prego (Mosteirão, Sada, 18 de outubro de 1823; ?), cujo nome, na cédula de vecindad devia aparecer como Lucas Casal y Jaspe.

E quem era em realidade este sanfonista de Mosteirão? Apenas sabemos mais que alguns dados biográficos e só contamos, que não é pouco, com a sua descrição física para fazermo-nos um ideia do ser aspeto. O fato de levar chapéu de hongo branco e aretes nas orelhas, faz com que pensemos na hipótese de ser um marinho, quiçá reconvertido a cego andante depois dalgum acidente no exercício do seu ofício. Os chapéus de hongo branco, chambergos, de obispo ou de caminho, que de todas estas maneiras eram chamados, foram usados nas colónias espanholas de ultramar, como Cuba ou Filipinas. Os aretes nas orelhas também podiam reforçar a ideia de ser um marinho veterano. Mas, fique claro que nos movemos no terreio das hipóteses. Enquanto trabalhava na personagem de Lucas Casal foi-se formando na minha cabeça a imagem de Lucas Casal que se tornou imediatamente esboço no meu caderno de notas. Coloco aqui os desenhos só para que o pessoal acredite o mal que me funciona por vezes o meu caletre.

                                                                 ©Orjais

As liortas entre músicos e comediantes, e em geral todo tipo de feirantes, foram habituais e, como nao podia ser doutro modo, os cegos iam bem armados. No cintura levavam um punhal, pois como dizia Pablo Mendoza de los Ríos (1737) havia "ciegos, no de amor, sinó de bayna abierta".

Mais nao sempre eram os culpáveis da briga, as vezes apareciam como simples vítimas.

También se vió ante el mismo Tribunal la causa procedente del Juzgado de Cambados, por el delito de atentado contra Benito Rodríguez y José Manuel Rañó Ferreirós.

Refiere el Fiscal, que durante la tarde del 24 de Junio del año último, el Guardia municipal de Carril Arturo Meigide Otero, que como tal agente de la autoridad se hallaba prestando servivio en la romería de San Juan, que se celebraba en Bamio, reprendió á los procesados por estar maltratando á un ciego que pedía limosna tocando la zanfoña y aquellos lejos de atender sus indicaciones, le acometieron dándole de bofetadas y agarrándole de las barbas, recibiendo también otra bofetada Amador Sijas López, que le hizo sangar por las narices, de mano del Benito, al acudir en auxilio del mencionado Guardia, requerido poe este al verse acometido por ambos procesados.

Que son autores los procesados, y procede imponer à los mismos la pena de 3 años, cuatro meses y ocho días de prisión correccional, multa de 150 pesetas con las costas. La Correspondencia Gallega: diario de Pontevedra: Ano XIX nº 5349 7/12/1907

Então, em 1906.  ainda caminhavam os cegos de sanfona por Bámio, Vila Garcia. talvez numa das suas últimas aparições nestas terras. A sua presencia polo Salnês faz-me pensar nos desenhos de Castelao, tão realista no trazado dos instrumentos. É evidente que o caricaturista rianxeiro teve oportunidade de tomar apontamentos do natural em feiras e romarias da contorna como Sao Ramão de Bealo ou do Santiaguinho de Padrão ou em qualquer outro lugar, mesmo Rianxo, a onde chegara um cego andante. E é por isso que os seus desenhos, só precisam de soar.